Mercado Municipal de Braga

Mercado Municipal de Braga

MMB 01 render
MMB 02 render
MMB 03 render
MMB 04 render
MMB 05 render
MMB 06 render
MMB 07 render
MMB 08 render
MMB 09 render
MMB 10 render
MMB 11 render
MMB 12 render
MMB 13 render
MMB 14 render
MMB 15 render
MMB 16 render
MMB 17 render
MMB 18 render
MMB 19 render
MMB 20 enquadramento
MMB 21 evolução formal
MMB 22 conceitos base
MMB 23 programa
MMB 24 piso -1
MMB 25 piso 0
MMB 26 piso 1
MMB 27 cobertura
MMB 28 alçado nascente e norte
MMB 29 alçado poente e sul
MMB 30 cortes A e B
MMB 31 área cidade
MMB 32 área quarteirão
MMB 01 render MMB 02 render MMB 03 render MMB 04 render MMB 05 render MMB 06 render MMB 07 render MMB 08 render MMB 09 render MMB 10 render MMB 11 render MMB 12 render MMB 13 render MMB 14 render MMB 15 render MMB 16 render MMB 17 render MMB 18 render MMB 19 render MMB 20 enquadramento MMB 21 evolução formal MMB 22 conceitos base MMB 23 programa MMB 24 piso -1 MMB 25 piso 0 MMB 26 piso 1 MMB 27 cobertura MMB 28 alçado nascente e norte MMB 29 alçado poente e sul MMB 30 cortes A e B MMB 31 área cidade MMB 32 área quarteirão

MERCADO MUNICIPAL DE BRAGA

FICHA TÉCNICA

  • Data projeto: 2016 – 2017
  • Localização: Praça do Comércio, Braga
  • Tipologia: edifício público
  • Área de intervenção: 7 403 m²
  • Área de construção: 9 483 m²
  • Arquitetura: APTO Arquitectura
  • Design Generativo e Paramétrico: SPECTROOM
  • Especialidades: BO Associados
  • Fotografia: Fernando Guerra | FG + SG
  • Construtor: Costeira Engenharia
  • Data obra: 2019 – 2020
  • Estado: construído

DESCRIÇÃO

O Mercado Municipal de Braga situa-se na franja Noroeste do centro histórico da cidade e configura por si só um quarteirão na Praça do Comércio. O edifício original é da década de 50 e reflete o Estilo Português Suave característico do Estado Novo. A sua implantação é composta por três alas que criam três frentes urbanas, e uma área central ao ar livre onde se desenvolvia grande parte da atividade.

Os dois grandes eixos desta intervenção foram a reabilitação da construção existente, onde se preservou ao máximo a sua traça e nas alterações necessárias seguiu os princípios base e estética daquele estilo arquitetónico, e a ampliação através da criação de uma cobertura sobre o espaço central e uma nova ala a Norte que cria uma nova frente urbana e encerra complexo. Partindo desse ponto foi possível para além da melhoria das condições higiossanitárias em todo o equipamento, reorganizar a sua distribuição funcional e fluxos de operação reorganizando e concentrando a atividade comercial na nova área coberta e virando as lojas das alas perimetrais para o centro. As restantes áreas das alas originais passaram a dedicar-se a circulações e zonas de serviço complementares à atividade comercial. Foram ainda adicionadas novas valências a este equipamento como áreas para tratamento de lixos, áreas vocacionadas para serviços de Delivery e Pick&Go e a ala principal converteu-se em praça da alimentação fazendo uso do espaço público na nova praça criada em frente para esplanadas e eventos.

A nova cobertura serve como elemento unificador de toda a atividade deste espaço, onde o revestimento em ripas de madeira que servem de brise-soleil e defletor acústico, assumem um dinamismo sereno através da sua geometria ondulante, que se transforma depois em alçado interior da nova Ala e se transporta também para o exterior permitindo antever o interior. Com uma estrutura metálica de suporte do revestimento superior em vidro e do revestimento inferior em madeira implantada sobre uma matriz que deriva da grelha estrutural do edifício existente, esta relaciona-se com a pré existência de forma subtil e respeitadora, mas sem lhe tocar. Deste modo este vazio criado entre as construções de duas épocas distintas acaba por servir de entrada inferior da ventilação natural, para em conjunto com uma saída a uma cota superior também em todo o perímetro formarem o sistema passivo de ventilação deste espaço.

Na conceção desta ampliação foram aplicados numa fase inicial princípios de desenho generativos de forma a tornar o processo de form-finding mais célere e assertivo, tendo-se recorrido na fase de execução a ferramentas de desenho paramétrico que permitiram a aplicação em obra de lógicas de pré-fabricação e assemblagem que permitiram reduzir o desperdício de material em obra e otimizar o tempo de construção.

DATASHEET

  • Project date: 2016 – 2017
  • Location: Praça do Comércio, Braga
  • Typology: public building
  • Lot area: 7 403 m²
  • Construction area: 9 483 m²
  • Architecture: APTO Arquitectura
  • Generative and Parametric Design: SPECTROOM
  • Engeneering: BO Associados
  • Photography: Fernando Guerra | FG + SG
  • Contractor: Costeira Engenharia
  • Construction date: 2019 – 2020
  • Status: built

DESCRIPTION

Braga’s Public Market is located on the Northeastern fringe of its city center and forms a block on its own. The original building is from the 50’s and is a legacy from the former Portuguese dictatorial regime architectural style. Its footprint consists of three wings forming three street-fronts, and an open air central area where most of the commercial activity took place.

The main goal in this intervention was the renewal of the existing structure, while preserving core features and following the original architectural style canons when changes were necessary, and to expand it by creating a canopy over the central area and a new wing on the North side creating a new street-front and enclosing the building. Starting from these two main objectives it was then possible to largely improve this equipment’s sanitary conditions, to reorganize its functional distribution and operation fluxes by concentrating all the commercial activity in the newly covered central space and turning the stores located in the existing wings towards the center. The reminding spaces of these wings where then left for service areas and circulations complementary to the commercial activity but far from it. Also new valences were added to this equipment such as waste disposal and treatment areas, Delivery and Pick&Go logistic support areas and the all of the main existing wing was converted in a food court taking advantage of the new big public plaza in front.

The new canopy serves as a unifying element of all of the commercial activity, where its wooden ceiling cladding that doubles as brise-soleil and acoustic deflector imprints a dynamic and serene aura in this place that through its waving geometry. This ceiling cladding then extends to the new wing’s interior and exterior wall cladding allowing people to foresee what the interior space has to offer. This canopy’s metalic structure that supports both the ceiling cladding and the glazed roof is set upon a matrix that is derived from the original building’s structural grid, thus relating with it in a subtle and respectful way without ever touching it. In this way the void generated between the existing building and the addition serves as the lower natural air entrance so that along with the peripheral air extraction vents in in the upper level forms the passive ventilation system of this area.

In this project’s process were applied generative design principles in order to achieve a faster and more assertive form finding phase, as well as parametric design principles that allowed the prefabrication and assembly on site of most of the new building elements, thus optimizing time and material resources.